A ópera-rock Capitão Rodrigo – A saga de um homem comum tem estreia dia 29 de maio em Porto Alegre

Desde que surgiu há exatos sete anos, a Capitão Rodrigo tem nome e sobrenome. E mais: tem sobrenome Cambará! Criada por artistas integrantes do grupo Mosaico Cultural, a banda vem fazendo desde então a rica mistura do regional com o rock contemporâneo, algo que está na essência de grandes movimentos na música brasileira, como o mangue beat, por exemplo. Inspirados no pensamento libertário de Rodrigo Cambará, célebre personagem da saga O Tempo e o Vento, de Erico Verissimo, Rafa Cambará, Nando Rossa, Juliano Rossi, Cuba Cambará, Eduardo Schuler e Gilberto Oliveira trilharam um caminho onde os ideais, a música e a poesia andam sempre juntos. Não poderia ser diferente em seu novo trabalho, o disco e a ópera-rock Capitão Rodrigo – A saga de um homem comum, que tem lançamento dia 29 de maio, às 19h em Porto Alegre, na Praça da Matriz.

Da união de máscaras, poesia, bonecos, atores/músicos e muito rock´n´roll, surgiu o musical que aborda a vida do justiceiro Pompeu Homero. Aqui, musicalidade e encenação dialogam com a realidade social brasileira narrando a trajetória de um rapaz que busca consertar os problemas do mundo. As letras, textos e canções são autorais, compondo uma obra que faz do espectador protagonista dessa história. Na ficha técnica figuram alguns dos mais premiados personagens das artes cênicas gaúchas, entre eles, Kike Barbosa, Simone Rasslan, Liane Venturella, Daniel Lion, Juliano Ambrosini e André Trento, em mais uma produção do efervescente Grupo Mosaico Cultural e da banda Capitão Rodrigo, conduzida com doçura pela produtora Lud Flores.

Pompeu Homero poderia ser um cidadão como qualquer outro, mas, por um desvio (um atalho, um subterfúgio, uma escolha) acaba se tornando um justiceiro social que recebe o lampejo divino de resolver os problemas do mundo: corrupção, pedofilia, violência. Seu nome alcança o status de celebridade nacional abrindo um caminho tão instigante, quanto perigoso. Pompeu vai parar no Big Brother e o que aparentemente ia tão bem, começa a se dirigir vertiginosamente ao desconhecido. A partir do dia em que suas mãos se apropriam do desejado milhão e se sujam de sangue, ele percebe que em sua alma falta alegria e humanidade. O final desta epopeica jornada poderá ser conferido gratuitamente na estreia e lançamento do disco Capitão Rodrigo – A saga de um homem comum nos dias 29 e 30 de maio, 05 e 06 de junho na Praça da Matriz e dias 10, 11, 17 e 18 de junho na Concha Acústica do Multipalco /Theatro São Pedro, sempre às 19h.

Ludmila Flores, encarregada dessa verdadeira gincana que é produzir uma ópera-rock em Porto Alegre afirma que a produção desse trabalho tem sido um grande desafio, pois a equipe é uma fábrica de ideias. Diariamente surge uma novidade e o produtor tem de ser um estrategista para viabilizar esse mosaico de criatividades. A pérola é a equipe, a união de excelentes profissionais que acreditaram e se envolveram com a Saga. Já a diretora, Liane Venturella se entusiasma: Pompeu Homero – A saga de um homem comum é um trabalho diferenciado em vários sentidos: um grande número de profissionais extremamente dedicados e envolvidos não só profissionalmente, mas de coração também. O processo é um verdadeiro espaço de criação e risco, Pompeu é autoral não existem parâmetros nem lugares seguros, estamos guiados pela responsabilidade com prazer e muita diversão. Estou profundamente orgulhosa de fazer parte de tudo isso, e mais do que nunca lembro as sábias palavras de Confúcio: escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida. Pois é assim que me sinto.

Rafa Cambará, um dos criadores da banda, compositor, afirma que artisticamente é a realização de um sonho. Desde que compus a música Pompeu Homero soube que por trás daquela história havia algo muito importante que eu desejava compartilhar com o mundo. O espetáculo já é um sucesso pela qualidade do processo. Além da harmonia entre os envolvidos, o projeto está proporcionando a formação de novos profissionais através de estágio remunerado.

O cenário criado por Juliano Rossi partiu de pontos de fuga, psicodelia e de um certo caos que se estabelece na relação entre o personagem e o público. Juliano Ambrosini contribui com as imagens projetadas nas laterais do palco e teto, interagindo com a cena constantemente. A direção musical do premiado André Trento e os figurinos de Daniel Lion dão o toque final desse trabalho que promete ser um dos destaques da temporada 2015.

Ficha técnica
Direção artística: Liane Venturella
Dramaturgia: Kike Barbosa
Direção musical: André Trento
Direção de fotografia: Juliano Ambrosini
Preparação vocal: Simone Rasslan
Figurinos: Daniel Lion
Atores/músicos: Rafa Cambará, Cuba Cambará, Juliano Rossi, Nando Rossa, Eduardo Schuler, Gilberto Oliveira
Cenografia: Juliano Rossi
Iluminação: Fabrício Simões
Assessoria de imprensa: Bebe Baumgarten
Projeto gráfico: Juliano Ambrosini
Maquiagem: Luana Zinn
Produção executiva: Lud Flores e Rafa Cambará
Assistentes de produção: Dida Ortiz e Gilmar Rossa
Estagiários: Pedro Toledo, Yasmin Bitencourt e Jonatas Peixoto

Serviço:
Capitão Rodrigo em A saga de um homem comum
Estreia dia 29 de maio na Praça da Matriz – em frente à Catedral Metropolitana
Temporada: Dias 29 e 30 de maio, 05 e 06 de junho na Praça da Matriz
Dias 10, 11, 17 e 18 de junho na Concha Acústica do Multipalco/ Theatro São Pedro
Entrada franca

Sobre Rock Gaúcho 13635 Artigos
O portal Rock Gaúcho está há 15 anos levando o que há de melhor do rock feito no sul do Brasil para todo o mundo através da Web! Siga-nos em nossas redes sociais e fique por dentro de tudo que acontece por aqui!