Comunidade Nin-Jitsu

A Comunidade Nin-Jitsu surgiu em 1995, resultado de uma brincadeira de amigos que começaram a compor falando da sua galera, brincando com suas próprias gírias e misturando os estilos de música que mais gostavam: rock, funk, hip hop, hard rock e electro.

 A primeira música, "Detetive", foi composta em clima de piada  e teve sucesso imediato. A banda decidiu levar a sério a “brincadeira” e gravar um CD demo paras as rádios gaúchas. O trabalho ficou pronto em um mês e as rádios descobriram a CNJ. A inovação na sonoridade – que misturava as principais vertentes da black music com batidas eletrônicas e guitarras de rock pesado – surpreenderam e o conteúdo criativo e irônico das letras conquistou de vez o público. Com o sucesso de "Detetive", a banda chamou os amigos Cristiano Trein e Cristiano Zanella para fazerem o videoclipe. Resultado: Clip de Ouro no MTV Video Music Brasil (VMB) 97 na categoria melhor Demo-Clip para a música "Detetive". Depois disso, a Comunidade Nin-Jitsu entrou de vez no circuito de shows e chamou o admirador Edu K (vocalista do DeFalla) para produzir o primeiro CD.  

No fim de 1998, após uma turnê pelo subúrbio do Rio de Janeiro, o álbum "Broncas Legais" foi lançado. O estilo inovador do álbum trazia batidas de miami bass e guitarras hard rock, de onde nasceram hits como "Melô do Analfabeto", "Rap do Trago", “Merda de Bar”, "Quero te Levar", além da já conhecida e premiada "Detetive". Esses hits tomaram conta das rádios e da cabeça da galera. A turnê "Broncas Legais" seguiu fazendo arrastões sonoros até meados de 2000, e a CNJ foi conquistando cada vez mais a galera, formando público fiel, que lotou os shows nas cidades por onde passou. Ainda em 2000, a banda lança um disco ao vivo, em parceria com o selo Rock It, que seria considerado não-oficial, mas acabou entrando de vez na discografia da banda devido ao grande sucesso. ‘Comunidade Nin-Jitsu ao vivo’, é hoje raridade e permanece sendo procurado pelos fãs da banda em todo o Brasil.

O segundo disco oficial – “Maicou Douglas Syndrome” – veio em 2001. Produzido por Dudu Marote e lançado nacionalmente pela Sony Music, o CD apresentou músicas como “Cowboy”, “Arrastão do Amor”, “Patife”, “Fazê a Cabeça” e o clássico  “Ah! Eu Tô sem Erva”, que desbancou os "Top 20`s Jabazeiros" com pedidos de fãs fiéis e virou grito de guerra nos shows. Foi durante este ano que a banda consolidou sua posição no mercado do sul do país e começou a destacar-se no cenário nacional. Foi a única banda gaúcha a tocar no Free Jazz Project, no Rio de Janeiro, além de shows em São Paulo, Santa Catarina e Paraná.  

No ano de 2002 a banda deu continuidade a “Maicou Douglas Tour”, realizando diversos shows, sendo destaque no festival “Porão do Rock”, em Brasília. Nesse evento tocou para mais de 80 mil pessoas, arrancando elogios da crítica e do público presente. Em agosto, a banda faturou seu segundo prêmio no VMB, vencendo a categoria “Melhor Website de Banda / Artista”. O ano fechou com chave de ouro: a banda abriu o histórico show do Red Hot Chili Peppers, em Porto Alegre. "Sinceramente, sem conversa furada, mas vocês são um das melhores bandas que vi como "support band" do Chili Peppers no mundo", elogiou o baterista do Red Hot Chili Peppers,  Chad Smith.

"Aproveite Agora" foi lançado em 2003 e produzido por Rafael Ramos (responsável por trabalhos com Pitty, Raimundos, Autoramas e Ultraje a Rigor). Lançado pela Orbeat Music, nesse trabalho a Comunidade Nin-Jitsu conseguiu passar toda a energia do show ao vivo (seu melhor cartão de visitas) e teve o conteúdo das letras altamente influenciado pelas histórias de estrada e situações vividas pela banda.  Deixando um pouco de lado as batidas eletrônicas, dando mais espaço para as influências de rock florescerem, o álbum trouxe hits como “Aperitivado”, “Carburou”, “Fubanga” e “Me Faz Bem”, que mantiveram a banda entre as top´s do rádio e com agenda lotada de shows.

O ano de 2005 começou com o tema "Casa do Sol" – que tocou nas rádios e caiu na boca da geral durante o verão – e terminou com o lançamento do quarto disco, intitulado "Comunidade no Baile". Esse trabalho reúne hits do quarteto readaptados para a linguagem funkeira mais roots. Explicando melhor: em quartos de hotéis e estúdios caseiros, o grupo regravou 12 faixas extraídas dos discos anteriores, acentuando o lado dançante de cada composição nas mixagens. Mas, além dessa revisão no repertório, entraram também inéditas. Uma delas é “Martiny”, que foi a primeira música desse disco a tocar nas rádios e teve a participação da bateria da escola de samba Estado Maior da Restinga, vencedora do Carnaval porto-alegrense 2005.

A formação inicial da Comunidade Nin-Jitsu tinha Mano Changes (voz), Fredi Endres (guitarra, backings e programações), Nando Endres (baixo e backings) e Pancho (bateria). A banda chegou a ter um tecladista (Sid Kavaña), que saiu logo após o lançamento do segundo disco. Em 2006, Pancho deixou as baquetas da banda pra se dedicar a outros trabalhos e em seu lugar assumiu o baterista Claudio Calcanhotto, que já participou de trabalhos com diversos artistas e bandas – inclusive ao lado de sua irmã, Adriana Calcanhotto.

Calcanhotto trouxe uma nova pegada à banda, que entrou o ano de 2006 com a turnê "Comunidade no Baile" passando por diversas cidades do sul do país, levantando o público em shows sempre lotados. Destaque para o Planeta Atlântida/SC e Planeta Atlântida/RS, com a Comunidade fechando  a primeira noite em ambas as edições. O grande sucesso se confirmou no dia seguinte em uma enquete – realizada no site do evento – que perguntava quais haviam sido os melhores shows do festival. Resultado: Comunidade Nin-Jitsu em primeiro lugar, em SC, e segundo lugar no RS, na opinião do público. No mesmo ano, a banda também brilhou em outros grandes eventos musicais, como a Festa de 9 anos da rádio Pop Rock, de Porto Alegre, e na segunda edição do Cidade Elétrica, evento da rádio Cidade, ao lado de nomes de destaque do cenário musical brasileiro. Ainda em 2006, a banda lança um single inédito: “Sacanagem”, já com Calcanhotto na bateria, que foi hit nas rádios e preparava o terreno para a volta dos Ninjas ao estúdio.
2007 foi um ano de novidades e conquistas. Em janeiro, a banda lançou outro single – “Mais Pressão” – em uma ação inédita e exclusiva de lançamento na internet, sendo a primeira amostra do que estava por vir nessa nova fase da banda. Novamente a Comunidade Nin-Jitsu emplacava mais um sucesso, que começou na web e chegou às rádios, dando início ao processo de construção do que seria próximo disco da banda.
Paralelo a isso, Mano Changes assumiu o posto de deputado estadual no RS, em uma eleição realizada ainda no ano anterior, da qual o vocalista se dividia entre a agenda de shows da banda – incluindo muitas apresentações em Santa Catarina e Paraná – e a sua campanha, resultando em uma eleição com votação expressiva. 2007 também foi a consagração da carreira internacional do guitarrista Fredi, que com o nome DJ Chernobyl, partiu para trabalhos e lançamentos no Brasil e exterior, participando de festivais aqui e fora do país, assinando a produção de artistas nacionais, como o Bonde do Rolê e fazendo parcerias com outros nomes da cena mundial.

Mesmo com toda essa agitação na vida dos Ninjas, a banda seguiu com uma agenda intensa de shows, ao mesmo tempo em que trabalhava as novas composições, preparando o lançamento do novo álbum.

Em 2008 a Comunidade Nin-Jitsu chega, então, com o novo álbum – “Atividade na Laje’ – que mesmo antes de ser lançado, já emplacou três hits nas rádios. Além disso, a banda assinou o tema de inverno da rádio Atlântida, levando a banda ao topo das paradas com duas músicas: o próprio tema de inverno e a irreverente “Chuva nas Calcinha”, que virou hino no programa Pretinho Básico. “Sem Vacilar”, que também figurou nas mais pedidas por algumas semanas, é a primeira música de trabalho do novo CD e foi eleita como um dos melhores lançamentos pela galera da redação da revista Rolling Stone. O novo trabalho também foi destaque de capa do Myspace.com, onde a página da banda está entre as mais acessadas do país.
Após 5 anos longe dos palcos de São Paulo, a Comunidade Nin-Jitsu voltou a capital e realizou um show de lançamento do novo álbum, juntamente com uma agenda de divulgações em diversos veículos, como na MTV, Show.Livre, Bírgula, Oi TV e All TV, entre outras.

Comunidade Nin-Jitsu é:
Mano Changes (voz)
Fredi "Chernobyl" Endres (guitarra)
Nando Endres (baixo)
Claudio Calcanhotto (bateria)

Discografia Oficial:
Broncas Legais (1998) – Rock It!
Comunidade Nin-Jitsu ao vivo (2000) – Rock It!
Maicou Douglas Syndrome (2001) – Sony Music
Aproveite Agora (2003) – Orbeat Music
Comunidade no Baile (2005) – Orbeat Music
Atividade na Laje (2008) – Olelê Music/Thurbo Music

Contato:
E-Mail: [email protected]
Site: http://www.cnj.com.br
MySpace: http://www.myspace.com/comunidadeninjitsu