Diego Lopes será desclassificado do Prêmio Açorianos de Música

O músico Diego Lopes será desclassificado do Prêmio Açorianos de Música. Segundo o coordenador de música da Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Jorge André Brittes, manifestaram-se pela exclusão do participante três dos cinco jurados da categoria pop, na qual Lopes concorria como compositor pelo disco Diego Lopes & Bebop.

Na edição do último sábado, Zero Hora publicou reportagem que apontava semelhanças entre o disco de Lopes e músicas do grupo norte-americano Ben Folds Five. Segundo o professor titular de Composição Musical da UFRGS, Celso Loureiro Chaves, há semelhanças e identidades de melodia, forma, estrutura, harmonia, arranjo e letras/ideias poéticas entre as canções. O trabalho ainda apresentava correspondência em algumas letras e títulos de músicas.

O anúncio oficial da desclassificação deverá ser feito nesta quarta-feira. Lopes, que é baixista da banda Acústicos & Valvulados e concorria por seu trabalho solo, publicou um comunicado no Facebook em que questiona se existe alguma fórmula que ainda não tenha sido utilizada na música pop. “Nunca neguei que minha maior influência para esse trabalho era a banda Ben Folds Five”, escreveu. “Numa análise […] de nosso material de apoio, pode-se constatar que tal influência sempre pautou meu trabalho”, completou.

Na segunda-feira, o corpo de jurados da categoria pop, formado pelos jornalistas Sara Bodowsky e Caroline da Silva, pelos comunicadores Piá, Paulo Inchauspe e Nilton Fernando, foi contatado oficialmente pelo Açorianos para que se manifestasse a respeito de possíveis semelhanças entre a obra do gaúcho e o trabalho do grupo norte-americano. De posse dos pareceres dos avaliadores, a organização do prêmio decidiu pela desclassificação.

Segundo o coordenador de música da prefeitura da Capital, não haverá substituição de Lopes na categoria do Açorianos, permanecendo como concorrentes os compositores Branco (por O Deus do Terceiro Milênio, do Grupo R.P.3.), JJ (por Nômade, da Banda Stereosound), Luciano Albo (por A Ordem Natural Das Coisas) e Tiago Ferraz (por Estado Das Coisas, da Estado Das Coisas). A cerimônia de premiação está marcada para 24 de abril, às 20h30min, no Auditório Araújo Vianna.

Confira canções e trechos de letras do álbum Diego Lopes & Bebop e do músico americano Ben Folds no link http://bit.ly/15Ud3TI

Nesta terça-feira, Diego publicou um comunicado no Facebook no qual questiona se existe alguma fórmula que ainda não tenha sido usada. No comunicado, o cantor gaúcho afirma que sua maior influência para a composição do disco é Ben Folds e que é inevitável compará-lo ao músico americano. Ele ainda diz que é inevitável que os padrões se repitam, caso contrário a música pop não seria assim tão pop, afirmando que o próprio Ben Folds possui influências de Elton John.

Lopes ainda agradece aos amigos, colegas e fãs e diz ter orgulho de que minha trajetória tenha se iniciado pela admiração aos ídolos que foram e continuarão sendo minhas referências.

Leia o comunicado de Diego Lopes na íntegra:

Fiquei sabendo, por intermédio do telefonema de um jornalista, da minha desclassificação do Prêmio Açorianos. Apesar de ainda não ter sido comunicado oficialmente, em respeito às inúmeras mensagens de apoio de amigos, colegas e fãs, decidi me manifestar.

O fato de ter meu trabalho comparado ao do pianista e cantor-compositor americano Ben Folds é, para mim, uma honra. Ou será que não deveria ser?

Ao ver a originalidade de minhas músicas posta em questão, me pergunto: o que é ser original na música pop atualmente? Existe alguma fórmula que ainda não tenha sido usada, (de)batida, surrada e reutilizada? Qual o novo jeito de se falar sobre amor, desilusão, locais ou pessoas que ainda não tenha aparecido em acordes ou versos de outros?

Nunca neguei que minha maior influência para esse trabalho era a banda Ben Folds Five. Pode dar uma olhada no nosso site soundcloud.com/diegolopesbebop para ter certeza disso. A primeira música postada se chama Theme for Dr. Pyser, uma versão ao vivo de um tema do referido trio. Caso queiram conferir nossa página no facebook, está lá nosso release: Ben Folds Five é minha primordial influência. Quem conferiu nossos shows, sabe que tocamos Song for the Dumped, também do trio.

Numa análise, ainda que superficial, de nosso material de apoio, pode-se constatar que tal influência sempre pautou meu trabalho. O formato de piano, baixo e bateria, convenhamos, é algo raro e limitado no rock. Mas não foram os BF5 que me despertaram para isso. Foi um disco ao vivo do Elton John chamado 11-17-70. Muitos anos depois, vim a saber que esse disco foi o despertar do próprio Ben Folds para tal formato. Por isso, é inevitável que essa comparação seja feita do meu trabalho com o dele e, anos atrás, do dele com o de Elton John.

Pegue-se uma banda como os Beatles, por exemplo. O formato de duas guitarras, baixo e bateria é muito mais usual e as referências muito mais evidentes. Ou o que foram os Oasis, mesmo?

É inevitável que padrões ou temas se repitam, caso contrário a música pop não seria assim tão pop.

Há alguns anos atrás, Ben Folds recebeu de Elton John um telefonema, quando o atual Sir disse ao novato: ‘legal teu trabalho, pode continuar com ele. Um abraço’. Acredito que esse tenha sido o maior estímulo à sua carreira. No meu caso, tenho orgulho de que minha trajetória tenha se iniciado pela admiração aos ídolos que foram e continuarão sendo minhas referências.

Agradeço muito a todos os amigos, colegas e fãs pelo carinho.

Um abraço.

Diego Lopes

Sobre Rock Gaúcho 13840 Artigos
O portal Rock Gaúcho está há 15 anos levando o que há de melhor do rock feito no sul do Brasil para todo o mundo através da Web! Siga-nos em nossas redes sociais e fique por dentro de tudo que acontece por aqui!