Luciano Leães & The Big Chiefs recebem Solon Fishbone e Julio Rizzo para noite de blues

Depois de atrações internacionais como Annika Chambers, Tia Carroll e Whitney Shay, o Clube do Blues reúne grandes nomes da cena nacional para mais uma noite de música. Na próxima edição do projeto, Luciano Leães & The Big Chiefs recebem o guitarrista Solon Fishbone e o trombonista Julio Rizzo, no próximo dia 18, a partir das 21h. Quem for ao Sgt. Peppers poderá conferir o trabalho autoral de Luciano Leães & The Big Chiefs e clássicos do blues, R&B e New Orleans Piano.

Com The Power of Love, álbum de estreia lançado em dezembro de 2015, Luciano Leães teve seu talento reconhecido em New Orleans, por onde fez diversos shows e pode ouvir sua música sendo tocada na principal rádio de lá, a WWOZ. Pelo desempenho neste disco, Leães foi agraciado com o Prêmio Açorianos de Música 2015/2016, na categoria Melhor Instrumentista do Pop. E vem novidade aí! O músico já prepara seu segundo disco, ainda sem data de lançamento.

O Clube do Blues é um projeto idealizado por Luciano Leães, que tem como objetivo reinserir Porto Alegre na rota do blues nacional e internacional.

SOBRE LUCIANO LEÃES

Considerado um dos principais pianistas de blues do país, Leães incorpora em sua mu&769;sica elementos do soul, do funk e do R&B. Tem como influência pianistas de New Orleans – Dr. John, James Booker e Professor Longhair -, Billy Preston, Ray Charles, Leon Russel e Otis Spann.

Em abril deste ano, Luciano Lea&771;es foi convidado para tocar na cerimo&770;nia de introduc&807;a&771;o de um de seus maiores i&769;dolos, o pianista Professor Longhair, ao Louisiana Music Hall of Fame, ao lado de grandes pianistas de New Orleans e do mundo. O pianista tambe&769;m foi convidado para tocar no lanc&807;amento de um disco po&769;stumo do Professor no Lil’ Gem – palco tradicional de New Orleans onde ja&769; tocaram Buddy Bolden, Jelly Roll Morton e Louis Armstrong – juntamente com a banda que gravou o disco e se apresentou no Louisiana Music Factory, Frenchy’s Gallery, Irvin Mayfield’s Jazz Playhouse, Broad Theatre e Professor Longhair’s Museum, além de ter sido convidado para uma entrevista na ra&769;dio WWOZ.

Leães também carrega na bagagem a abertura do show de Elton John em Porto Alegre, em 2013, tendo sido selecionado pela produção do músico inglês. Também, neste mesmo ano, conquistou Prêmio Açorianos como melhor instrumentista pop. Em 2016 repetiu a dose, recebendo seu segundo Açorianos de melhor instrumentista na mesma categoria.

The Power of Love é seu primeiro trabalho autoral, com onze canções assinadas por ele, nasceu depois de duas de&769;cadas gravando ou se apresentando como sideman de diversos nomes de peso da mu&769;sica nacional e internacional. O disco rodou em rádios como a WWOZ de New Orleans e teve grande aceitação da crítica, arrancando bons reviews da crítica especializada e músicos de renome como Ron Levy (pianista do BB King), Bob Lohr (pianista do Chuck Berry), Russ Ragsdale (produtor de nashville), Juarez Fonseca (Jornal Zero Hora) entre outros.

Esse e&769; um a&769;lbum que definitivamente as pessoas va&771;o continuar falando nos pro&769;ximos anos. A autoridade e o domi&769;nio de Lea&771;es nas teclas, o modo como expressa e busca as influe&770;ncias de seus artistas prediletos, abduz o passado para uma perspectiva atual. Ouvir as 11 canc&807;o&771;es de ‘The Power of Love’ e&769; como cair no buraco do coelho de ‘Alice no Pai&769;s das Maravilhas’ e ter uma incri&769;vel experie&770;ncia com imagens multissensoriais”. RUSS RAGSDALE – produtor norte-americano que finalizou “The Power of Love”

What’s the perfect blend of New Orleans R&B and Brazilian Soul called? Luciano Leães & the Big Chiefs ‘The Power of Love!’ Get yours today! Que legal! RON LEVY – Musical producer and keyboardist (B.B. King, Albert King)

“Luciano e&769; um dos mais surpreendentes mu&769;sicos que se arriscam no rhythm & blues e teclados ao estilo de New Orleans. Ele toca ta&771;o bem e com tanta alma que se voce&770;, no caso, tambe&769;m for um pianista, apo&769;s ouvi–lo, vai ficar afim de duas coisas: abandonar ou praticar. Definitivamente um dos melhores caras que tocam no estilo cla&769;ssico de New Orleans, fora de la&769;. E fim de papo”. BOB LOHR – pianista do Chuck Berry.

SOBRE JULIO RIZZO

Nascido em Caxias do Sul, RS, em 1961, JULIO RIZZO iniciou seus estudos de trombone na Escola de Música da OSPA (Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, RS). Participou de vários cursos, oficinas, festivais e encontros de trombonistas, no Brasil e no Exterior. Entre seus professores, figuram Radegundis Feitosa Nunes, Wagner Polistchuk, Curtis Olson, Michel Becquet e Gilles Milliere.

Realizou estudos de aperfeiçoamento na University of Georgia School of Music, em Athens, EUA, sob a orientação do professor Philip Jameson, e na École Nationale de Musique de Colmar, França, tendo como professor Philippe Spanagel. Desenvolve intensa atividade camerística, com recitais na França, Portugal e Áustria. Foi professor convidado na American Wind Symphony Orchestra, em Pittsburgh, Pensylvania, EUA. Coordena master classes e clínicas de trombone na França, Estados Unidos, Argentina e Brasil.

Foi organizador e diretor artístico do 10º Encontro Brasileiro de Trombonistas, em São Leopoldo, RS. Desenvolve trabalhos em música popular, incluindo turnês e gravações, com Artur de Faria & seu conjunto, Cláudio Levitan, Gelson Oliveira, e grupo Quartchêto. Desde 1990, integra a Orquestra Sinfônica de Porto Alegre.

SOBRE SOLON FISHBONE

O músico e empresário do ramo das guitarras vintage, Solon Fishbone (47 anos) acaba de comemorar três décadas de uma carreira artística que começou em 1984. Ao lado de Cláudio Mattos, Duca Leindecker e Luciano Bortoluzzi, ainda como baixista, fundou a banda Prize, grupo que marcou uma geração do rock gaúcho com participações nas coletâneas “Rock Garagem II” e “Rio Grande do Rock”.
No final dos anos 80, Fishbone assumiu a guitarra e formou, com seu irmão mais velho André Coelho, uma das primeiras bandas de blues do Rio Grande do Sul, a Bluesmakers.

No início dos anos 90, o músico vivenciou a cena blues paulista, sem dúvida, o embrião para o que viria logo depois: o power trio Solon Fishbone y los Cobras. Junto com o lendário baixista Flávio Chaminé e o baterista Alexandre Barea, recém-saído dos Cascavelettes, Fishbone assinou contrato com a Paradoxx Music. Com mais de 10 mil cópias vendidas, o disco Blues Southlands ganhou o Premio Açorianos de 1995, na categoria Melhor Disco do Ano.O álbum foi o primeiro trabalho de blues gravado e produzido por um artista gaúcho e se tornou um marco para a história do gênero no Rio Grande do Sul.

O pioneirismo de Solon Fishbone não parou por aí. Em 2004, o guitarrista gravou o elogiado Instrumental Mood, o primeiro e um dos poucos registros de blues instrumental lançados até hoje no Brasil. O disco, sem overdubs, gravado ao vivo no estúdio, possui um colorido sofisticado e influências que vão do jazz às sonoridades latinas.

Fish Tones (2011), último trabalho gravado, foi lançado pela gravadora Top Cat Records, de Dallas, nos Estados Unidos, e é o primeiro disco de um artista brasileiro a ser disponibilizado para downloads no site Itunes.

Solon Fishbone tem contribuições importantes ao lado de artistas americanos como Billy Branch, Phil Guy, kenny Neal, Johnny Nicholas e Eddie C. Campbell, com quem produziu o disco Show de Bola, gravado no Brasil e cultuado na cena blues de Chicago. Uma parceria com os músicos Neto Rockfeller, Danny Vincent e Fernando Noronha também é motivo de alegria, pois o quarteto mantém vivo um trabalho chamado Guitars for the blues.

Em 2015, a trajetória do bluseiro está sendo homenageada com a cerveja IPA Blues by Solon Fishbone. Bebida tipicamente americana que une as culturas da música e da cerveja, além de apresentar no rótulo um QRcode para download de uma música inédita do guitarrista. Também neste ano, ocorre o lançamento do DVD Guitar Garage Sessions, um registro ao vivo que mistura gravações inéditas e entrevistas.

Serviço:
O QUE: Luciano Leães & The Big Chiefs + Julio Rizzo + Solon Fishbone
ONDE: Sgt. Peppers (Quintino Bocaiúva, 256)
QUANDO: 18/1, 21h

INGRESSOS:
Antecipado: R$30,00
Na hora: R$40,00

MESAS (Platéia Baixa)
4 lugares – R$200
8 lugares – R$400

Ingressos antecipados: http://bit.ly/2i9CD42

Produção: Rima Cultural

Sobre Rock Gaúcho 13539 Artigos
O portal Rock Gaúcho está há 15 anos levando o que há de melhor do rock feito no sul do Brasil para todo o mundo através da Web! Siga-nos em nossas redes sociais e fique por dentro de tudo que acontece por aqui!